Balada da Virgem – em nome de Deus

Inspirado na figura de Joana D’Arc

Uma Santa, uma Louca, uma Feiticeira?
Joana D’Arc, morta há quase 600 anos, ainda move imaginários e provoca reflexões sobre gênero, fé e justiça.
D’Arc foi capturada pelo exército inglês e condenada à fogueira em 1431 pela igreja católica, acusada pelo crime de heresia.
Ironicamente, quase 500 anos depois de sua morte, foi canonizada pela própria instituição religiosa que a executou, tornando-se santa e padroeira do país.
Por conta disso, Balada da Virgem – em nome de Deus, alimenta-se das contradições políticas e religiosas contidas na personalidade desta mulher. Suas dores, angústias e perturbações, movidas por uma convicção abalada de fé, foram transformadas em uma tensão corporal permanente, buscando um estado físico de dramaticidade cênica numa liturgia coreográfica.
Dentre os tantos significados e subjetividades que a arte contemporânea permite em suas gestações, a criação converteu o palco em um cárcere privado, lugar de privações de todo tipo, onde o apego à vida foi se esvaindo por completo.
A obra lança dúvidas do discurso devoto e subserviente a Deus da Joana histórica e impõe a ela a necessidade de revolta contra essa figura masculina e patriarcal de Deus, uma figura que violenta seu corpo em um martírio físico e psíquico.
A ação coreográfica se dá nessa batalha de cosmovisões, um duelo simbólico entre os anjos e demônios que movem a mente e o corpo de Joana em seus momentos finais e a arrastam inconclusivamente para a morte na fogueira.
O mito em suas últimas horas de vida.

Rafael Carrion e Sandro Borelli 

Criação contemplada pela 21ª edição do Programa de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo.
Remontagem através da 26ª edição do Programa de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo.
Contemplado na 1ª Edição do Prêmio Aldir Blanc de Apoio à Cultura da cidade de São Paulo, módulo Maria Alice Vergueiro.

SINOPSE
A criação se alimenta da força, da fragilidade física e espiritual e das possíveis contradições políticas e religiosas contidas na personalidade dessa mulher. Suas dores, angústias e perturbações, movidas por uma convicção irrefreável de fé, foram transformados em uma tensão corporal permanente, buscando um estado físico de dramaticidade cênica numa liturgia coreográfica.

Ficha Técnica atual
Concepção, Coreografia, Direção e Luz: Sandro Borelli
Intérpretes: Renata Aspesi, Yorrana Soares, Alex Merino e Rafael Carrion
Assistência Coreográfica: Rafael Carrion
Trilha Sonora: Gustavo Domingues*
Figurino e cenário: Grupo
Arte Gráfica: Gustavo Domingues
Fotografia: Alex Merino e Rafael Carrion
Assessoria de Imprensa: Vanessa Fontes
Direção de Produção: Júnior Cecon
* A trilha sonora contém trechos das obras de Olafur Arnalds e Levon Minassian & Armand Amar.

Ficha Técnica original
Concepção, Coreografia, Direção e Atuação: Sandro Borelli

Elenco da Cia: Alex Merino, Mainá Santana e Rafael Carrion
Trilha Sonora: Gustavo Domingues
Luz: Sandro Borelli
Arte Gráfica: Gustavo Domingues
Fotografia: Alex Merino
Preparação Corporal: Vanessa Macedo e Sandro Borelli
Direção de Produção: Júnior Cecon
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Remontagem 1:
Concepção, Coreografia, Direção e Luz: Sandro Borelli
Intérpretes: Renata Aspesi ou Alex Merino ou Rafael Carrion

Assistência Coreográfica: Rafael Carrion
Trilha Sonora: Gustavo Domingues*
Figurino e cenário: Grupo
Arte Gráfica: Gustavo Domingues
Fotografia: Júnior Cecon
Preparação Corporal: Sandro Borelli, Vanessa Macedo e Mário Nascimento
Direção de Produção: Júnior Cecon
* A trilha sonora contém trechos das obras de Olafur Arnalds e Levon Minassian & Armand Amar.

Feito com amor 💜 por go7.com.br